sexta-feira, 11 de setembro de 2009

"A poesia saiu à rua num dia assim"















José Afonso esteve presente, ali de "corpo inteiro", na fachada do edifício do CLP - Círculo Literário do Porto (lugar mítico dos versos interligados com música trespassando pelos vidros das amplas janelas, donde se veêm salas bem iluminadas).
Foi ontem, dia 10, à noite, ali para os lados da Ribeira, depois de um dia calor abrasador.
A brisa vinha, desta maneia, na voz e nos versos dos que iam entoando Zeca - "homem igual por dentro, homem igual por fora". Estava, como dissemos, de "corpo inteiro", de alma nua e pura, espargindo cravos e músicas por pessoas de diversas gerações; umas de pé, outras sentadas à mesa na esplanada do passeio... Ali, na Rua Nova da Alfândega.
Passavam homens e mulheres com poemas nas mãos, e, conforme a vontade de cada um, soltavam-se palavras, gritavam-se os versos, pela brisa da noite - qual canção de embalar para nos devolver a esperança de dias mais felizes.
E foi desta forma que a poesia saiu à rua numa noite assim - num dia assim; uma iniciativa integrada no projecto "80ANOSDE ZECA".

2 comentários:

Isabel disse...

O Zeca trouxe ao Clube Literário alegria e esperança. As mãos e as palavras de todos fizeram poesia nesta noite. Obrigada AJA Norte e ao projecto 80 anos de ZECA.

gabi disse...

E se em vez de utilizarmos o pretérito perfeito, utilizarmos o futuro, melhor será ainda!
Eu (e muitos mais companheiros, tenho a certeza)estou presente para trabalhar por esse futuro!
beijinhos a todos